30 anos do Kill ‘Em All
30 anos do Kill ‘Em All

Por Filipe Souza
Foto: Filipe Souza [Acervo Pessoal]
Matéria no Metal Zone: http://www.metalzone.com.br/site/materias/artigo.php?sec=7&cod_materia=290

Há exatos trinta anos que o Metallica mudava radicalmente o cenário mundial do rock pesado ou para não ser apedrejado pelos xiitas de plantão, troquem rock pesado por Metal.

Em 1983 quando os baluartes do metal britânico como Def Leppard e Iron Maiden agraciavam o mundo com Pyromania e Piece of Mind, o verão de 1983 ficou mais quente na costa oeste dos Estados Unidos. E foi no dia 25 de julho de 1983 que quatro rapazes americanos com muito sacrifício conseguiram lançar um marco na história chamado Kill ‘em All.

Originalmente o disco seria lançado com o título “Metal up your ass”, e a capa seria um braço segurando uma espada e saindo de uma privada. A gravadora Liberty, que era um selo ligado a EMI achou que seria um suicídio comercial lançar o disco com essa capa e título. Então o baixista Cliff berrou: – Kill’em all (mate todos eles). A ideia foi muito bem recebida pelos outros integrantes da banda e por Jonny, dono da Megaforce, que lançaria definitivamente o Metallica. E para a capa do disco Jonny ainda sugeriu algo mais simples e tão brutal quanto a ideia original: um martelo sobre uma poça de sangue com a sombra de uma mão se afastando.

O disco não foi um sucesso comercial, mas só o fato de ter chegado à posição 120 no Top 200 da Billboard fizeram todos da banda e do novato selo Megaforce muito felizes. Porém, até os dias de hoje já foram vendidas mais de 3 milhões de cópias de Kill’ em All.

O disco combina a velocidade do punk rock de bandas como Ramones, o peso dos britânicos do Motorhead, além dos solos brilhantes do Judas Priest. Todos esses ingredientes fizeram do Metallica e seu debut o nome mais falado do underground americano. Enquanto a grande mídia simplesmente ignorava o grupo, zines nos Estados Unidos e na Europa enalteciam o poder bélico da banda. Uma publicação chegou a mencionar que o Metallica seria a resposta americana ao Motorhead.

Porém, todo esse burburinho e as boas noticias sobre o debut do Metallica só tinha deixado apenas uma pessoa triste e espumando de raiva: Mr. Dave Mustaine. O ruivo que havia sido mandado embora da banda um mês antes das gravações e já tinha montado o Megadeth, estava cheio de rancor no coração e como uma metralhadora, disparava para todos os cantos seus recalques sobre o Kill’em All.

Em uma dessas entrevistas, Mustaine argumentou: “Fico me perguntando o que o Metallica vai fazer quando acabar o estoque dos meus riffs”. As más línguas dão conta que James e Lars obrigaram Kirk a refazer os solos do disco. Mas Dave era só veneno, e talvez sem tanta necessidade, já que o ruivo recebeu seus devidos créditos até no Ride The Lightning, que foi o segundo disco lançado pelo Metallica.

Kill’em All é um debut recheado de clássicos. Desde a primeira faixa “Hit the Lights” passando por “The Four Horsemen”, “Motorbreath”, “Jump in the Fire”, a instrumental “Pulling Teeth”, “Whiplash”, “Phanton Lord”, “No Remorse”, “Seek & Destroy” e para fechar “Metal Militia”. A grande maioria dessas músicas são tocadas até hoje nos shows da banda.

A faixa “Hit the Lights”, que aparece na icônica coletânea Metal Massacre é uma composição da primeira banda de James Hetfield, o Leather Charm. Assim como “The Four Horsemen”, que foi escrita por Dave Mustaine para sua banda Panic e que se tornou “The Machanix” no debut do Megadeth, Killing is My Business…My Business is Good (1985).

No aniversário de 30 anos do Metallica em 2011 a formação original da banda tocou “Metal Militia”, no palco além de James Hetfield (guitarra e vocal), Lars Ulrich (bateria), acompanharam também Ron McGovney (baixo) e Dave Mustaine (guitarra).

Kill’em All
Gravado entre 10 e 27 de maio de 1983 no estúdio Rochester em Nova Iorque.
Lançado em 25 de julho de 1983
Produzido por: Paul Curcio
Tempo total de áudio: 51:15

Cronologia:
Kill’em All (1983)
Ride the Lightning (1984)

Singles:
Whiplash (Agosto/1983)
Jump in the Fire (Janeiro/1984)

Lista de Músicas:
01. Hit the Lights (James Hetfield, Lars Ulrich) [ 4:16]
02. The Four Horsemen (James Hetfield, Ulrich, Dave Mustaine) [7:13]
03. Motorbreath (James Hetfield) [3:08]
04. Jump in the Fire” (James Hetfield, Ulrich, Mustaine) [4:41]
05. (Anesthesia) – Pulling Teeth (instrumental) (Cliff Burton) [4:15]
06. Whiplash” (James Hetfield, Ulrich) [4:10]
07. Phantom Lord (James Hetfield, Ulrich, Mustaine) [5:02]
08. No Remorse (James Hetfield, Ulrich) [6:26]
09. Seek & Destroy (James Hetfield, Ulrich) [6:55]
10. Metal Militia (James Hetfield, Ulrich, Mustaine) [5:09]

Fontes:
Metallica: A Biografia (Mick Wall)
Site Metal Injection (www.metalinjection.net)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Formado em jornalismo e mídias digitais, mas trabalho com tecnologia há quase vinte anos. Crítico musical há quinze, já escrevi para algumas publicações no Brasil e em Portugal. Há onze anos sou jornalista responsável pelo portal Metal Zone. Quantos anos nesse parágrafo... Faço parte de “trocentas” redes sociais, instalo e fuço todo o tipo de apps, frameworks e plugins. Coleciono celulares e toda hora quero um gadget novo. Sou fã incondicional do Google e sua lista de quinquilharias: Buzz, Orkut, Android, Picasa, etc... Leitor e colecionador de Stephen King, Nelson Rodrigues, Vertigo e Bukowiski. Ouvia muito Iron Maiden, Helloween, Megadeth, Type O Negative e Engenheiros do Hawaii, atualmente ouço mais AC/DC, Metallica, Matanza, Lenine e Paradise Lost. Mas ouço diversos estilos de música audível: Jazz, Blues, Rock Nacional, Death Metal, Heavy Metal, Thrash Metal, Doom, Punk, Hardcore, MPB, Música Erudita, Bossa Nova e por ai vai... Considero-me amante da fotografia, só que clico mais shows. Geralmente quando faço a cobertura do evento para o Metal Zone. Adoro Jornada nas Estrelas, Guerras nas Estrelas, Arquivo X, Dexter, House e Supernatural. Filmes de ficção científica, terror, suspense e comédias. Assisto muito Shoptime, Discovery Chanel e algumas novelas (risos). Coleciono Box de séries, action figures, CDs, LPs, HQs, livros, miniaturas e por ai vai. Sempre dou pitaco nos jogos de futebol e pego no pé dos torcedores, mas não manjo nada de Futebol. Sou comprador assíduo de CDs, livros, revistas e eletrônicos, mas assíduo MESMO! Sou Católico e Fluminense por convenção, ou seja, já tenho as respostas certas para as perguntas comuns: - Qual time você torce e qual a sua religião? Ainda que devoto de São Jorge e Nossa Senhora Aparecida. E tenho interesse grande por religiões afro-brasileiras e cultura indígena sul americana, celta e nórdica. Também nutro um carinho especial pelo campeonato inglês e alguns times como: Santos, Internacional, Liverpool e Chelsea. Coleciono camisas de times e bandas de rock. Trabalho com comunicação e marketing digital além de desenvolvimento web há mais de dez anos. Recentemente montei uma empresa no esquema chique de home-office, com CNPJ e tudo o mais. Já atendo uma gama razoável de clientes. Tento há anos terminar um livro de ficção científica pós apocalíptica. Como tento também abraçar um monte de projetos ao mesmo tempo. Inclusive uma banda de Gângster-Splatter-Hardcore-Metal chamada Líquidos Cadavéricos. Esse nome eu tirei de um livro de medicina há muitos anos. Sonho em aprender a jogar poker, ter uma moto Honda Shadow 750C e cruzar a América do Sul e o México até a fronteira com os Estados Unidos.

One Thought on “30 anos do Kill ‘Em All”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.