Livro narra histórias de Batman e Superman no cinema

Livro narra histórias de Batman e Superman no cinema

Batman e Superman são tema de livro sobre suas histórias no cinema
Batman e Superman são tema de livro sobre suas histórias no cinema

Em 24 de março, os dois maiores heróis do planeta se encontrarão pela primeira vez no cinema. “Batman V. Superman: A Origem da Justiça” reunirá o Cavaleiro das Trevas e o Homem de Aço, introduzindo a Liga da Justiça nas telonas. Ambos os personagens já passaram dos 75 anos de existência e têm sido retratados de diferentes formas desde os anos 40, quando surgiram as primeiras séries nas matinês cinematográficas dos EUA. Quase não havia televisão e esse tipo de programa era um dos mais famosos na época. Fã de Batman e Superman desde pequeno, o jornalista e crítico de cinema André Azenha decidiu contar essas histórias em um livro produzido de forma independente e que será lançado a partir do próximo dia 19 de março.

 

“Histórias: Batman e Superman no Cinema” é um resgate dessas trajetórias e conduz o leitor a uma viagem no tempo. Mesclando jornalismo e crítica, o autor criou um presente de fã para fã e para quem pretende se iniciar pela história dessas duas figuras tão emblemáticas da cultura pop a partir do século XX. Com 106 páginas e linda ilustração da capa desenhada pelo artista plástico Waldemar Lopes, o trabalho prepara o terreno do espectador/leitor para o tão aguardado encontro nas telonas.

 

Motivação

 

“A série animada de Superman dos anos 40 feita pelos irmãos Fleischer estava à frente de seu tempo e serviria de referência para tantos estúdios desde então. Se ‘Star Wars’ é considerado o precursor dos filmes que chegam ao mercado junto a uma série de itens dos mais variados, numa campanha visceral de marketing organizado, o Batman de 1966 rendeu aos fãs toda uma memorabilia, ainda que os itens fossem comercializados por empresas diferentes e que necessariamente não possuíam direito de imagem dos personagens. ‘Superman – O Filme’ trouxe efeitos visuais inovadores para a indústria cinematográfica. “Batman – O Cavaleiro das Trevas” (2008) transcendeu as histórias em quadrinhos e, em meio à onda 3D, teve cenas rodadas em Imax, pois o diretor Christopher Nolan queria que o espectador tivesse a melhor das imagens. Feitos mais do que dignos para personagens oriundos de uma arte que tantas vezes foi encarada com preconceito por parte de ‘intelectuais’ e marginalizada nos anos 50, período em que foi publicado o livro ‘Seduction of the Innocent’, do alemão Fredric Wertham, que levou políticos a criarem uma campanha contra os quadrinhos e o Comics Code Authority”, explica André Azenha. “A ideia foi relatar, com uma linguagem acessível e ao mesmo tempo aprofundada, a trajetória desses dois mitos no cinema. Aqui não entram séries nem os longas de animação produzidos para o mercado de home vídeo realizados com enorme competência pela Warner. Mas cabe tudo o que foi produzido e lançado nas salas de projeção”, ressalta o autor.

“O livro tem informações valiosas tanto para os fãs hardcore quanto para os espectadores eventuais, como eu. Como não gostar da história daquelas primeiras tentativas de levar o Batman para o cinema, em forma de seriado, com aquele herói triste, de orelhas caídas e cigarros voando do bat-cinto de utilidades? A história de ambos na indústria audiovisual é coberta sem falhas”, escreve o jornalista e cinéfilo Gustavo Klein no prefácio do livro.

 

Lançamentos:

Interessados em adquirir o livro terão três oportunidades. O lançamento será dia 19 de março, um sábado, a partir das 18h, na loja Cult Comics do Cine Roxy (Av. Ana Costa, 443, Gonzaga). André receberá o público até o fechamento da loja, às 22h.

No domingo (20), a partir do meio-dia, Azenha fará uma sessão de autógrafos na Praça de Alimentação do Shopping Pátio Iporanga (Av. Ana Costa, 465, Gonzaga).

No entanto, quem tiver interesse em adquirir a obra em primeira-mão, na sexta-feira, 18 de março, 19h30, André ministrará a palestra que leva o nome do livro, na Open House Idiomas. O encontro será apenas para dez pessoas e custa R$ 30. Os dez primeiros que confirmarem inscrição na escola (Rua Minas Gerais, 85, Boqueirão, entre 15h e 20h) receberão um livro gratuitamente no dia. O bate-papo terá duas horas de duração.

 

Ficha técnica:
Memórias: Batman e Superman no Cinema.
Autor: André Azenha.
Ilustração da capa: Waldemar Lopes.
Foto da contracapa: Paula Cristina Cagnani Fernandes Azenha.
Identidade gráfica: Factor.
Revisão: Adriana Martins.
Prefácio: Gustavo Klein.
Produção: independente.
106 páginas.
Valor do exemplar: R$ 30.

 

O autor

André Luiz de Albuquerque Azenha, natural de Santos, nascido em 1980, é jornalista, crítico de cinema e produtor cultural.

Ministra cursos e oficinas de cinema e jornalismo cultural. Entre eles, “Introdução à História, Teoria e Crítica de Cinema” (Open House Idiomas), “Quadrinhos no Cinema” e “História do Batman no Cinema” (ambos no Sesc Santos).

Realiza um projeto de cinema itinerante que percorre bairros de Santos em sessões de filmes seguidas por bate-papos com o objetivo de formar público para cinema e instigar um olha mais crítico por parte do espectador a partir dos filmes.

É idealizador da Mostra Cine Brasil Cidadania, que visa exibir longas do cinema nacional seguidos de debates com seus realizadores, e Nerd Cine Fest Santos – Festival de Cinema e da Cultura Nerd e Geek do Litoral Paulista.

Colaborou com o crítico Rubens Ewald Filho entre 2008 e 2009. Trabalhou em agências de comunicação, em São Paulo, entre 2008 e 2011, atendendo clientes de diversas áreas. Segue atuando como assessor de imprensa. Entre seus clientes, está o Cine Roxy, tradicional cinema santista. Produziu a festa de 80 anos do Cine Roxy, em 2014. Fez a assessoria de imprensa da itinerância da Mostra Internacional de São Paulo de 2014, em Santos, e da mostra em homenagem ao cineasta Marcelo Gomes (2015), ambos a convite do Sesc. Em 2011, mediou os debates do ciclo Documentários Comentados.

Tem dois livros artesanais publicados em 2012: “Coletânea CineZen”, que reúne textos do site, e “Meu Namoro com o Cinema”, com críticas de filmes que abordam de alguma forma o amor.
Maiores informações:

www.facebook.com/andreazenha01
www.cinezencultural.com.br
www.facebook.com/cinezen
www.facebook.com/batmanesupermannocinema/
jornalista.andreazenha@gmail.com
13 997443726

Hqs Walking Dead para venda – versão digital

Estou vendendo 147 edições digitais da HQ The Walking Dead. Comprem pelo Mercado Livre:

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-697599908-the-walking-dead-coleco-digital-brindes-_JM

 

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-697599908-the-walking-dead-coleco-digital-brindes-_JM
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-697599908-the-walking-dead-coleco-digital-brindes-_JM

Constantine e os Novos 52

Constantine e os Novos 52
Constantine e os Novos 52

Em uma tentativa aparentemente frustrada e totalmente esquizofrênica, a DC tenta inserir John Constantine no meio desse da nova liga da justiça.  Quem é fã do mago britânico arrancará os cabelos quando encontra-lo ao lado do Flash, Mulher Maravilha, Batman, Super Homem, Aquaman entre outros.

Comprei as três primeiras edições, mas ainda não tive coragem suficiente para ler, apenas folheei. A DC desconstruiu um legado de anos das histórias sombrias e fascinantes do Constantine.

Quero ver até que número vai essa mixórdia!

Como ler HQ’s (gibis) no Tablet

Comecei escrevendo ouvindo: Engenheiros do Hawaii – Sopa de Letrinhas

 

Lembro-me perfeitamente de quando ganhei meus primeiros gibis. É como se tivesse acontecido ontem. Minha família morava em Maricá, interior do Rio de Janeiro, tínhamos acabado de nos mudar para lá. E em uma manhã de sábado, meu pai e eu fomos ao centro da cidade. Meu pai estava com pressa, já que meu padrinho nos visitaria na hora do almoço. Quando voltamos para casa, lá estava meu padrinho sentado na calçada, em frente a nossa casa lendo uns gibis. Recordo que ele levantou, fechou os gibis e me entregou. Disse que era um presente. Eu tinha uns oito anos e fiquei muito feliz quando comecei a folhear um gibi do Thor, depois outro do Homem de Ferro, um do Homem Aranha e por último: Batman.

E desde então o prazer pela leitura e principalmente por gibis me seguiria até a vida adulta. Já perdi a conta de quantos gibis já li. E perdi a conta de quantos gibis perdi em uma mudança trágica, onde minha mãe esqueceu de levar uma caixa com uma centena de gibis. No dia seguinte quando retornei ao imóvel a caixa estava toda molhada por causa da chuva e tinha sido esquecida no quintal. Os gibis estavam imprestáveis.

gibis

Mesmo trabalhando com tecnologia, sempre fui averso a ler livros e gibis na tela do computador. E até uns três anos atrás eu achava Tablets uma grande bobagem. Porém, um certo dia recebi uma proposta para desenvolvimento de um aplicativo que rodaria em um tablet. Na verdade o cliente queria um catálogo eletrônico dos produtos dele em um tablet. Coisa simples e fácil de fazer, mas o cliente queria pronto em cinco dias.

Fiz o aplicativo utilizando XHTML, CSS e Jquery. Cataloguei todas as fotos e pronto. Só que eu precisava testar. Foi então que eu comprei um tablet da AOC, o mais barato e simples do mercado. Testei o aplicativo, que funcionou perfeitamente.

Para minha surpresa o cliente fez o favor de não me pagar pelo trabalho e sumiu. Tomei um calote e ainda fiquei com o Tablet parado e guardado em uma gaveta por meses.

Foi nesse período que comecei a acompanhar a série The Walking Dead. Não perdia um capítulo se quer. Descobri que tinham alguns HQ’s da série rolando na internet, já que a série foi baseada nas historias em quadrinho. E não é que eu achei os 90 primeiros títulos para baixar? Não perdi tempo e baixei todos os arquivos de uma só vez. Porém os arquivos vieram com a extensão .cbr.

Eu sabia que existia um programa que lia esses arquivos, pois eu já tinha tentado há alguns anos atrás ler gibi no PC, mas não deu! Não tive paciência. Foi nesse momento que eu lembrei do Tablet. Fui correndo pegar o aparelho. Não imaginava que existia um leitor de cbr/cbz para tablet. Então o que eu fiz?

Bem, para quem não sabe um arquivo cbz/cbr nada mais é do que um conjunto de imagens compactadas no formato ZIP ou RAR, por isso o CBZ (zip) e o CBR (rar). Os caras digitalizam a revista, salvam cada página em um jpg separadamente e depois compactam todos esses arquivos em sequencia. Em seguida mudam a extensão do arquivo para CBZ ou CBR.

Até o momento eu acreditava que o tablet não lia o CBR/CBZ e só leria PDF. Então eu descompactei uns três gibis e gerei um PDF para cada publicação. Mas ler o arquivo PDF no tablet é muito ruim. E eu começava a nutrir um ódio do tablet que até então eu tinha apenas nojo! Rssss

Passei um tempo pesquisando sobre o assunto e descobri que havia leitores de CBR/CBZ para tablets com Android. Testei vários, mas o que melhor se adaptou as minhas exigências foi o excelente jjComics Viewer.

É um programa simples de usar. Bastam poucas configurações para que ele se ajustasse perfeitamente ao aparelho.

Para baixar o programa acesse:
https://play.google.com/store/apps/details?id=com.jj.comics

A paginação é suave, e vc pode configurar o programa para que ajuste a largura das páginas para a largura do tablet. Esse programa ainda lê facilmente os arquivos que estão no cartão micro sd do tablet.

Esse programa serviu muito bem para eu ler revistas e livros. E veio a calhar em uma época que eu estava estudando para concursos públicos.

Eu tinha também cerca de 10 gigas de HQ’s baixados e gravado em vários DVDs, baixei isso em 2003/2004, mas como eu não lia confortavelmente acabei fazendo backup desses arquivos e guardando. E não foi que pude ler esses clássicos que estavam guardados há quase dez anos?

Hoje em dia depois de três anos quero comprar um tablet novo, mais rápido e um cartão micro SD de 32GB para armazenar minhas coleções de revistas digitais.

Relacionarei alguns sites bons para baixar HQ’s:

– Coringa Files: Acredito que seja o mais completo site de HQ’s digitais. O bom desse site é que 95% das publicações estão hospedadas no Media Fire, que é um servidor sem frescura para realizar os downloads. No Coringa Files é possível encontrar HQ’s nacionais raras e importadas, devidamente traduzidas. Também tem muitas revistas difíceis de encontrar no mercado e tem seus lançamentos restritos a feiras de HQ’s ou editoras mais undergrounds. No site também tem muita carne de vaca, que é fácil achar com facilidade nas bancas, material como Homem Aranha, Batman, Superman, ou seja, os heróis Marvel e D.C.

Site: www.coringa-files.com

 

– Vertigem HQ: Esse foi o primeiro site que achei para baixar as revistas. Foi nele que encontrei a grande maioria dos meus HQ’s da série The Walking Dead. Esse site funciona de forma colaborativa, os leitores traduzem o material e disponibilizam no site. A atualização do site não é tão frequente, já que depende do tempo disponível dos colaboradores. Algumas séries podem levar meses para aparecer uma nova edição.

Site: www. vertigemhq.blogspot.com.br

 

– Gibis Clássicos: Esse site é mina de ouro para os saudosistas. Nele é possível encontrar edições das décadas de 90, 80 e com alguma sorte até 70. O ponto forte do site são os heróis Marvel e D.C. È possível achar Turma da Monica, Recruta Zero, Tim Tim, Mickey entre outros títulos. As edições são digitalizadas a partir dos originais e todo o material é fornecido pelos próprios colecionadores.
Site: http://gibisclassicos.blogspot.com.br/

 

– Rock & Quadrinhos Scan: Esse é um site que une o útil ao agradável. Quadrinhos e Rock n Roll andam de mãos dadas. Nesses site é possível encontrar HQ’s clássicos dos heróis Marvel e D.C, além de edições históricas do final de década de 80 da BIZZ.

Site: http://rockquadrinhosscans.blogspot.com.br

Não deixem de acessar os sites parceiros que estão listados normalmente na coluna direita desses sites. Você pode encontrar muito material bom.

Terminei ouvindo: Angra – Mystery Machine